Assine nossa
newsletter

7 motivos para fazer uma consulta pública

30.11.2023
Autor: Colab
governo

Quando pensamos em todas as estratégias de comunicação pública, seja para o planejamento de um bairro, uma cidade ou um país, uma grande e nebulosa dúvida paira no ar: como incluir a população nas decisões públicas que são de interesse de todos? O que eles pensam sobre isso? Como a gestão pode buscar interação popular? 

Esse é o ponto de partida para abrir uma consulta pública, seu mecanismo de construção de políticas públicas fortalece através da interação entre governo e sociedade, buscando entender a opinião pública sobre diversos assuntos e gerando dados quantitativos para se basearem nas próximas decisões. 

Existem diversas maneiras de consultar a população, seja através da urna eletrônica, assembleias públicas ou por meio digital, essa é a forma mais eficaz de ampliar a discussão na tomada de decisões. Principalmente no formato digital, onde as consultas estão no ambiente online, por ser o meio mais seguro atualmente de encontros pessoais, e também pela maneira assertiva de divulgação em massa. 

Recentemente, o Colab fez parte da abertura da consulta pública da Secretaria de Fazenda de Niterói, com uma pesquisa aberta na plataforma digital Colab para que os moradores acessassem e contribuíssem com o Planejamento Institucional Participativo da cidade. “O Plano Estratégico só funciona quando todos se sentem parte dele”, disse Priscila Borges, diretora de Planejamento e Desenvolvimento Institucional da SMF.

Este processo participativo traz benefícios não apenas para a população, que se sente mais empoderada e tem sua opinião levada em conta pela administração pública, mas traz ganhos imensos para os gestores públicos, confira abaixo 7 motivos para fazer uma consultoria pública: 

1. Gerar produção de dados e informações sobre a realidade da cidade para facilitar análises e contribuir em planejamentos futuros;

2. Alcançar tomadas de decisão coerentes fundamentadas na comprovação e colaboração da população;

3. Apoio popular na tomada de decisões;

4. Conscientizar a população sobre questões públicas;

5. Estabelecer prioridades dentro dos planos estratégicos da gestão;

6. Utilizar com propriedade a Lei 13.460/2017 que dispõe sobre participação, proteção e defesa dos direitos do usuário dos serviços públicos da administração pública, focando na avaliação de equipamentos e serviços públicos;

7. Utilizar dos recursos humanos e economizar em recursos financeiros.

Autor: Colab

Descubra como a IA está transformando governos com o Chat GPT


Baixar

Colab na Mídia

22.02.2024

Segurança de dados: um ponto que merece a atenção das gestões públicas

13.02.2024

Transformação digital: como ela pode contribuir na gestão pública colaborativa

08.02.2024

4 fatores que comprovam a relevância da inovação no governo

21.02.2024

Engajando a população: 6 estratégias para uma gestão pública eficiente