Assine nossa
newsletter

Integridade como indutora da boa gestão e governança corporativa

30.11.2023
Autor: Arlindo Nascimento Rocha
governo
“A questão da integridade ficará cada vez mais fina, mais delicada e mais bonita” [Richard Fuller].  

Nos últimos anos vivemos uma profunda crise ética e civilizacional, agravada ainda mais pelo desenvolvimento tecnológico, informático e comunicacional. Essa crise se manifesta em todas as esferas da sociedade. Logo, não é exagero afirmar que as utopias do progresso e do conhecimento continuam patinando sobre possibilidades que ainda não se concretizaram.

Apesar de estarmos vivendo na Era da informação e do conhecimento, os resultados ainda não são os melhores, pois, ‘excesso de informação’ não gera ‘excesso de pessoas bem informadas’. Esta Era com alto potencial transformador, paradoxalmente, produziu graves prisões, entre elas: ansiedade (um dos males do século, segundo o psiquiatra Augusto Cury), depressão, medo, intolerância, ódio e dependência.

A grande quantidade de informações disponíveis dificulta a filtragem e a separação entre a ‘boa’ e a ‘má’ informação. Desta forma, muitas pessoas serão em poucos anos uma espécie de androides programados para obedecer e agir de acordo com comandos sociais externos que pouco honrarão a arte de pensar criticamente. Essa situação, segundo o psicólogo Gustave Le Bon, leva a uma espécie de esfacelamento das vontades individuais, e, consequentemente, a regressão aos instintos mais primitivos.

Mas, a crise que vivemos pode significar o surgimento de novas oportunidades de crescimento e amadurecimento. Por isso, não podemos fechar os olhos diante das evidências que apontam para algumas conquistas, em vários setores da sociedade (individual/corporativa), embora não estejamos ainda na velocidade ideal, pois, romper paradigmas leva seu tempo.

Ao deslocarmos nosso foco para questões ligadas à integridade, ousamos afirmar que já existe consenso que ela é o norte pela qual os cidadãos e as instituições públicas e privadas devem guiar suas ações em prol do bem comum, pois caminhamos lentamente para a ‘Era da Integridade’. Este é o título do livro de Luiz Fernando Lucas, publicado em 2020, que versa exatamente sobre essa nova Era em que precisamos resgatar os valores universais que dão sustentação às relações pautadas na honestidade, respeito, retidão, imparcialidade […]. Naturalmente, todos os valores, apontados por Lucas, envolvem confiança, e sem isso, as relações humanas e corporativas estão condenadas ao fracasso.

No entanto, é preciso assinalar que, integridade não é um conceito ‘novo’. Ela faz parte da tradição filosófica, e sempre foi discutida e problematizada. Mas, nos últimos anos, a expressão ganhou vida e tem sido amplamente estudada e utilizada em diversos contextos. Devido a essa amplitude, ela não dispõe objetivamente de uma única definição, pois, é complexa e polissêmica. Mas, isso não deve ser interpretado como sintoma de indefinibilidade, aliás, é antes, a marca de hiperdefinibilidade tal abundância de definições, pois, o campo epistemológico pelo qual o conceito navega é vasto e amplo.

Os filósofos antigos a definem de diversas formas, uma vez que, seu significado depende do contexto e da finalidade em que é aplicada. Mas, independentemente do seu uso no plano macro ou micro, as diferenças são pouco significativas. Atualmente, esse conceito é muito explorado em situações que envolvem relações de poder, seja na política, nos negócios, na administração pública e privada, mas, sobretudo, nas relações interpessoais.

Ao visitarmos sua origem etimológica, não restam dúvidas que, integridade vem do latim integer ou integritate. No primeiro caso, significa um número inteiro, completo, ou seja, o todo, enquanto que no segundo, significa plenitude, perfeição, solidez, ou ainda, totalidade. Nos dois casos, integridade retrata valores consistentes e reportam a princípios que podem ser verificados ou mensurados quanti e qualitativamente.

No Dicionário de Língua Portuguesa (Academia Brasileira de Letras), integridade é definida como característica do que está em perfeitas condições (aspecto físico), ou qualidade de quem é correto, probo (aspecto moral). Já no Houaiss, integridade é caraterística daquilo que está inteiro, que não sofreu qualquer diminuição, plenitude, inteireza, ou seja, estado daquilo que se apresenta ileso, intacto, que não foi atingido ou agredido.

Tratando-se da conduta humana, integridade representa a qualidade de uma pessoa íntegra, incorruptível e ético cujos pensamentos, atitudes e atos se ancoram na honestidade, retidão, pureza, ou seja, em valores, cujo exercício confere exemplaridade e perfeição a alguém, cuja conduta é irrepreensível, inatacável, imparcial, justo e equitativo.

Portanto, existe certo consenso que, qualquer definição, atribuída a esse conceito, por mais simples ou complexa que seja, designa plenitude, inteireza, totalidade, justeza, perfeição, solidez, eticidade, sendo estas, características (físicas ou intelectuais) comuns às pessoas retas, honestas e incorruptíveis. Por isso, o comportamento ético de cada cidadão, está no cerne da integridade. Logo, não existem pessoas mais ou menos íntegras, pois, integridade não admite incompletude, nem pode ser reduzida à soma de qualidades separáveis, pois, ela vale por si só.

Mas, esse conceito como vimos, não se aplica apenas às relações humanas, pois, nos últimos tempos capilarizou-se em todos os domínios da administração pública e privada, o que impulsionou positivamente ações de planejamento, execução, monitoramento, avaliação e correção de atitudes e condutas que, geralmente, sempre estiveram na contramão do que a Era da integridade nos trouxe como fator de transformação, como sugere o autor do livro citado anteriormente.

Há pouco tempo, e ainda embalados pela ambição do lucro a qualquer preço, pelas vantagens indevidas, pelo suborno e pela corrupção endêmica, se alguém ousasse perguntar ‘o que é integridade?’, seguida da questão que lhe é subsidiária ‘para que ela serve?’, muitos embriagados pelo hedonismo e pela ganância, mesmo sabendo do seu real significado e finalidade, não hesitariam a responder saindo pela tangente.

Em verdade usariam a velha estratégia, coloquialmente falando: primeiro sou eu, segundo sou eu, terceiro sou eu (…) o resto vem depois (…). O individualismo exacerbado e a busca pelo sucesso e riqueza, ainda que breve e a qualquer custo, são, certamente, o sustentáculo das condutas desviantes cujo propósito narcísico, é apenas o bem-estar pessoal em detrimento do coletivo, contrariando assim, o agir ético proposto por Aristóteles, cuja ação virtuosa deve estar em conformidade com a busca do bem comum, ou seja, em prol da sociedade.

Nesse sentido, o resgate dos valores tanto no domínio individual, bem como no ambiente corporativo têm como finalidade ressignificar o conhecimento clássico da ética baseada em virtudes. Por isso, cada vez mais a administração pública e privada tem tentado adequar suas políticas por forma a valorizar e fortalecer a cultura de integridade.

Isso só se tornou possível, pois, a maior parte das empresas públicas e privadas optam-se por implementar políticas preventivas como forma de propagar uma nova cultura com base em princípios e valores inegociáveis. Essa nova cultura pauta-se em ações consistentes que espelham, objetivamente, os princípios e os padrões éticos, que deverão ser adotados pelas instituições, com a finalidade de criar barreiras que impedem atitudes corruptas, fraudulentas e desvios de toda a ordem.

Na Era da integridade, os gestores públicos e privados passaram a entender que, as instituições que conseguem sobreviver com coerência(virtude) e congruência(valor) são aquelas que conseguem conciliar valores inegociáveis com a flexibilidade e a agressividade na parte operacional e comercial, como defende Lucas.

A semelhança das relações humanas, o comportamento ético também está no coração das instituições, pois, aquelas que arriscam sua reputação, credibilidade e desempenho, podem até sonhar alto, mas, a altura que conseguem atingir não ultrapassa a do vôo de uma galinha, enquanto que, aquelas que apostam na integridade fazem vôos de águia e duram gerações. Por isso, além dos valores de integridade, os administradores públicos e privados precisam definir objetivamente as estratégias pelas quais atingirão seus propósitos.

Mas, é preciso ficar atento não só aos propósitos, mas também a governança, pois, segundo o professor Daniel Faccini, quando se tem um propósito forte, mas não se tem governança, ou, ao contrário, quando se tem boa governança, mas não existe propósito algum, a empresa pode durar apenas uma geração. Porém, quando esses dois atributos são conjugados proporcionalmente, pode-se vislumbrar uma empresa centenária, ainda que outros fatores possam não estar absolutamente solidificados.

Por isso, ele nos alerta que existem vários fatores que podem auxiliar na perpetuação de uma empresa como: sustentabilidade, lucratividade, posicionamento no mercado (…). Além destes, ainda é possível acrescentar: programas de integridade e compliance, capacitação contínua, inovação tecnológica, capital intelectual, pesquisas de satisfação, entre outras que podem garantir a longevidade de uma empresa em qualquer ramo de atuação.

Todos esses fatores citados, aliadas à ética das virtudes fazem com que a integridade seja, efetivamente, indutora da boa gestão e governança corporativa. Desta forma, não é mais possível pensar no sucesso de uma empresa pública ou privada, sem que suas ações estejam em conformidade com os valores de integridade, pois, essa tem sido a mais rápida e mais eficiente forma de impactar e de favorecer essa transição que tem a cultura de valores como base e a integridade como fim.

Como indutora de boa gestão e governança, a integridade passou a ser o pilar principal de qualquer administração, pois, ela é a soma de todos os valores e virtudes, ou seja, é a oportunidade de garantir longevidade, transparência e assimilação de valores aceitos e partilhados por todos e por cada um de nós.

Autor: Arlindo Nascimento Rocha

Consultor de Integridade e Compliance na Controladoria-Geral do Município de Niterói (CGM-Niterói); Cientista da Religião, Filósofo e Pedagogo.

Aprenda a digitalizar serviços públicos com nosso curso gratuito exclusivo. Transforme a experiência do cidadão e aumente a eficiência da sua prefeitura.


Inscreva-se!

Colab na Mídia

22.04.2024

Veja como o Colab melhorou a eficiência de alguns municípios

17.04.2024

Veja como o Colab atua na prevenção contra a dengue

16.04.2024

Atendimento multicanal: veja detalhes da parceria entre Colab e Prefeitura de Santo André

10.04.2024

Otimize os dados do seu município e melhore a prestação de serviços

13.03.2024

Indicadores de performance na gestão pública: fatores para levar em consideração

22.02.2024

Segurança de dados: um ponto que merece a atenção das gestões públicas

13.02.2024

Transformação digital: como ela pode contribuir na gestão pública colaborativa

08.02.2024

4 fatores que comprovam a relevância da inovação no governo

16.05.2024

Saiba qual é o poder do design de serviços na transformação do setor público