Assine nossa
newsletter

Saúde Pública no Brasil: Como era antes do SUS?

30.11.2023
Autor: Colab
governo

Estamos tão habituados ao SUS, aos postos de saúde e hospitais públicos, que é difícil imaginar/lembrar como era sem eles, né?

Mas muitos brasileiros padeceram bastante antes da saúde pública universal ser implantada.

Neste artigo, te contamos como era a vida dos brasileiros antes da criação do SUS.

Brasil Colônia

Na época colonial, diversos índios ficaram muito doentes e morreram com as doenças trazidas pelos europeus, pois não possuíam imunidade para elas. 

Os escravos também padeciam e dependiam de conhecimentos e crenças populares e de ações de filantrópicas, muitas vezes prestadas pelas Santas Casas de Misericórdia que já estavam no Brasil no século XVI.
A situação começou a melhorar com a vinda da família real para o Brasil, em 1808. 

Mas não para todos. 

Foram formados os primeiros médicos no país, mas o acesso à saúde continuou sendo algo relacionado ao status social e financeiro das pessoas.

O Império

Com a chegada do Império, Dom Pedro II resolveu transformar escolas em faculdades e implantar uma estrutura de saneamento básico, principalmente na capital. 

As epidemias de febre amarela, malária, peste bubônica e varíola eram recorrentes, principalmente porque os esgotos corriam a céu aberto e o lixo era jogado em valas.

Mas o saneamento também era “social”, de forma que as pessoas mais pobres eram tiradas de suas casas no centro da cidade e jogadas para as periferias, onde não tinham acesso às obras.

O acesso à melhores condições de saúde continuou sendo exclusividade da elite.

Autor: Colab

Descubra como a IA está transformando governos com o Chat GPT


Baixar

Colab na Mídia

22.02.2024

Segurança de dados: um ponto que merece a atenção das gestões públicas

13.02.2024

Transformação digital: como ela pode contribuir na gestão pública colaborativa

08.02.2024

4 fatores que comprovam a relevância da inovação no governo

21.02.2024

Engajando a população: 6 estratégias para uma gestão pública eficiente